QUER MORAR EM PORTUGAL? VEJA AQUI TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER EM 10 PASSOS

VOCÊ QUER MORAR EM PORTUGAL? VEJA AQUI TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER EM 10 PASSOS

Pensando em ir morar em Portugal? Saiba o que você precisa saber antes de deixar o Brasil e o passo a passo para viver legalmente na Europa.

Apesar do Brasil ser um país lindo, muita gente acaba encontrando em outros países pelo mundo melhores condições de vida e de trabalho. É comum, por exemplo, que os brasileiros deixem o país para viver na Europa e morar em Portugal costuma ser uma das opções mais visadas.

Seja por causa da proximidade das línguas, seja pela maior “facilidade” em se conseguir permanência legal, muita gente tem se interessado pelo assunto. Prova disso é a quantidade de buscas que o tem apresenta no Google: mais de 12 milhões, pelo menos até a data da publicação desse post.

Mas, será que morar em Portugal é mesmo tão simples quanto parece ser? Como é o custo de vida? Alugar uma moradia é mais fácil para brasileiros? O custo de vida e o salário médio do país justificam o abandona da “pátria amada”?

Saiba o que fazer para morar em Portugal:


1. Tirar o visto

Como acontece quando se pretende mudar para outro país, é preciso conseguir o visto português de residência. Os consulados portugueses informam direitinho o que você precisa fazer para solicitar essa aprovação oficial.

Mas, de forma geral, antes de morar em Portugal, você precisa saber exatamente o que você quer. Afinal, são vários os tipos de vistos existentes:

D1: De Trabalho (Exercício de Atividade profissional Subordinada)

D2: De Empreendedor (Exercício de atividade profissional independente e para imigrantes empreendedores)

D3: Para atividade profissional e para imigrantes empreendedores;D4) Para estudo, intercâmbio de estudantes, estágio profissional ou voluntariado

D5: Para Mobilidade dos Estudantes do Ensino Superior

D6: Para Reagrupamento Familiar

D7: Visto para aposentados e pessoas com rendimentos Próprios

No caso de quem quer trabalhar ou estudar em Portugal, o visto mais comum é o Gold ou D2. Ele deve ser solicitado ainda enquanto a pessoa está no Brasil.

Agora, para quem tem cidadania portuguesa pode pular essa parte. Quem tem cidadania italiana, ou qualquer outra europeia; também não precisa se preocupar com o visto do país.


2. Estipular data

Logo depois de dar entrada no visto – e de ter uma previsão se ele vai ser aceito e de quando isso pode acontecer -, o ideal é estipular uma data para a mudança. Isso facilita bastante o planejamento da viagem.

A dica é: seja realista. Observe suas condições atuais e de quanto tempo será necessário para que toda a mudança esteja arquitetada.

De um a três anos costuma ser o tempo ideal para que você tome todas as providências necessárias para deixar o Brasil.

Para não se perder no planejamento, estipule um cronograma de metas. Nesse planejamento, marque o prazo para tirar o passaporte até determinado mês, para arrumar um emprego até determinada data, para conseguir moradia e assim por diante.


3. Documentação

Apesar de Portugal ter mais facilidades na hora de receber brasileiros, existem algumas burocracias no processo de mudança. Documentos como visto de trabalho, passaporte, seguro saúde e outras documentações são essenciais e, como já mencionamos, devem ser providenciados ainda no Brasil.

Não deixe nenhum desses documentos para a último hora. Você pode ter toda sua mudança comprometida se um só documento se atrasar.


4. Planejamento financeiro

Para deixar o Brasil e ir morar em Portugal é preciso mais que arrumar um emprego. É preciso uma reserva financeira para ir de mala e cuia devido a uma série de razões. Abaixo, listamos algumas:

  • É preciso uma grana alta para pagar vários documentos assim que chegar em Portugal;
  • Para alugar uma casa, você terá que pagar adiantado uma parte considerável do período negociado;
  • Você provavelmente vai gastar com saúde pública. Nunca se sabe quantos exames e consultas será preciso fazer;
  • Transporte não é de graça. Essa “brincadeira” pode ficar ainda mais dispendiosa se você quiser conhecer vários lugares;
  • É preciso ter reserva para qualquer emergência, especialmente se você estiver sozinho ou não contar com muitas pessoas em quem confiar.

– Que quantia levar?

Bom, isso vai depender muito do que você vai fazer por lá, de onde você vai morar e do salário que você vai receber. O ideal é pegar a média do custo de vida da cidade onde você vai se estabelecer e multiplicar por 6.

Se for Lisboa, por exemplo, a vida é mais salgada. De forma geral, é preciso 1.500,00 euros por mês para se manter bem.

Em outras localidades, no entanto, o custo de vida costuma ser mais barato. Cidades como Porto, Coimbra e Braga é possível calcular um gasto médio de 1.000,00 euros mensais.

Dessa forma, o ideal é que você leve, pelo menos, entre 6.000,00 e 9.000,00 euros de poupança. Mas, como para muita gente esse valor é praticamente surreal (considerando que você vai estar juntando dinheiro em real), metade disso seria um “risco aceitável”.


5. Conseguir emprego

Conseguir um emprego em Portugal pode ser uma das partes mais difíceis para quem tem planos de se mudar. É preciso muita pesquisa e muita garra para não desistir do sonho.

Como existe um número relevante de trabalhadores em situação irregular, tem sido cada vez mais complicado conseguir um contrato de trabalho para então solicitar o visto ou autorização de residência. Embora esse seja o caminho correto a ser percorrido.

Existem alguns sites, que ajudam a encontrar vagas de emprego em Portugal. Abaixo, preparamos uma listinha:

emprego.sapo.pt

www.net-empregos.com

www.cargadetrabalhos.net (para vagas em Comunicação)

Bolsa Emprego

Emprego.pt

Novo Emprego

– Concurso público

Outra opção para os brasileiros são os concursos públicos. Mesmo não sendo português, nós podemos nos candidatar aos concursos portugueses por meio do Estatuto de Igualdade e Direitos Civis ou Tratado da Amizade.

Quem tem esse documento, mais tarde também pode solicitar a identificação portuguesa (BI). Com ele também é possível se candidatar para bolsas de estudos nacionais.


6. Estudar em Portugal

Caso você vá morar em Portugal para estudar, é preciso ficar atento ao calendário do ano letivo no país. Ao contrário do Brasil, que tem início em janeiro; lá as aulas têm início em setembro e terminam em julho.

Com relação ao Ensino Superior, o sistema público de ensino por lá está longe de ser gratuito. Mesmo se tratando de um custo mais baixo que nas universidades particulares, é preciso saber que existem mensalidades ou anuidades a serem custeadas (chamadas também de propinas, rs). Portanto, procure se informar antes na universidade onde você pretende estudar.

E, se você quer se graduar em uma universidade portuguesa, é preciso fazer o exame nacional. Ele costuma ser aplicado em julho. No entanto, é possível substituí-lo pelo ENEM brasileiro em algumas universidades.

No caso de pós-graduação ou mestrado, esse exame é dispensável, mas existem algumas exigências a serem cumpridas. Procure se informar, caso esse seja o seu caso.


7. Onde morar

Não é muito difícil encontrar lugares em Portugal com um custo de vida razoável e que seja agradável de se viver. No entanto, é preciso conhecer as regiões do país.

O ideal é bater um papo com que já vive por lá para ter dicas de locais bons, baratos e próximos aos transportes públicos.

Com relação à escolha da cidade, normalmente, os brasileiros procuram as cidades de Portugal mais populosas para morar. Segundo o Census 2011, essa são as localidades mais procuradas por nossos conterrâneos quando o assunto é morar em Portugal:

  • Lisboa: 547.733 habitantes | extensão: 100,05 km²
  • Sintra: 337.835 habitantes | extensão: 319,23 km²
  • Vila Nova de Gaia: 302.295 habitantes | extensão: 168,7 km²
  • Porto: 237.591 habitantes | extensão: 41,42 km²
  • Cascais: 206.479 habitantes | extensão: 97,40 km²

– Aluguel

Com relação ao aluguel, existe preços para todos os bolsos. O problema é que nem todos os proprietários são simpáticos aos brazucas e costumam dificultar bastante a aprovação de contratos com brasileiros.

Aliás, é preciso prestar muita atenção nessa parte, já que o pagamento costuma ser adiantado: de 6 meses a 1 ano de pagamento ao fechar o contrato de locação.

Conforme estimativas da Numbeo, em 2018, uma moradia com um quarto, ou T1; sem mobília, mas no centro de Porto ou Lisboa, costuma sair em torno de 607,89 euros por mês. Um apê com as mesmas características, mas fora da cidade, sai, em média, por 422,62 euros (mas aí é preciso calcular o custo do transporte).

Claro que essas são médias que variam muito, já que por lá também existem bairros mais ou menos caros de se viver.

No caso de estudantes, por outro lado, se a intenção for alugar quartos a missão é bem mais fácil. É possível encontrar lugares mobiliados, com acesso a outras dependências da casa, a partir de 150,00 euros mensais (sem contas inclusas).


8. O que levar

Para falar a verdade, você não precisa levar muita coisa do Brasil para ir morar em Portugal. Tudo que você vai precisar, relacionado à casa, por exemplo; pode ser encontrado por lá mesmo a preços acessíveis.

No entanto, o mais indicado é que você consiga um local mobiliado para alugar. Quando você tiver condições de se estabelecer melhor ou de se mudar para um lugar seu, vai ver que é possível mobiliar toda uma casa por um valor incrivelmente barato, se comparado ao que você gastaria aqui no Brasil.

Você também não deve levar muitas roupas. Em Portugal, existem lojas famosas como a Primark, onde é possível comprar todo tipo de roupa por menos de 10 euros.

Se lembrar desse último ponto, aliás, ajuda a economizar bastante com o temível “excesso de peso” no aeroporto. Por isso, leve apenas o essencial para os primeiros dias.


9. Comprar passagens

Depois que tudo estiver devidamente acerto, chegou a hora de comprar as passagens. Se você conseguir fazer reserva três ou quatro meses antes é possível poupar um bom dinheiro nos bilhetes aéreos.

Saber qual a melhor época para a viagem também deixa sua viagem muito mais barata. Por exemplo, os meses entre junho e setembro não são os mais indicados, já que são considerados meses de alta no turismo da região.

O ideal é que você consigo um voo sem escalas em outros países europeus. Considerando esse ponto, as companhias mais indicadas são TAP e Azul.


10. Documentos em Portugal

Ao chegar em Portugal sua vida ainda não estará organizada. É preciso providenciar uma série de documentos para legalizar sua estadia.

Se você já for para lá contrato, terá três dias úteis (apenas) para comparecer ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF). É nesse lugar que você regulariza sua situação no país.

É preciso correr atrás também do que eles chamam de Título de Residência. Esse documento tem duração de um ano e custa cerca de 40 euros.

O número de identificação fiscal, o NIF, também é muito importante. Ele funciona como o CPF brasileiro.

Não menos importante, você também precisa ter o Utente para morar em Portugal. Esse se trata de um número de identificação na área da saúde que vai permitir que você pague bem menos nos serviços de saúde.

Você também vai precisar ter uma conta bancária para receber seu salário. Para isso, é preciso ter um depósito inicial de 50 euros, em média; apesar de você poder sacá-lo logo em seguida.

Afinal, vale a pena morar em Portugal?

Depende do seu objetivo de vida. Se seu plano for viver na Europa e ter uma qualidade melhor de vida, ou até viver em um país lindo; vale muito a pena.

O problema é que Portugal não é um país para se enriquecer. Encontrar empregos no país não é tarefa fácil. Ser chamado para uma vaga em sua área de formação é ainda mais difícil, mesmo para os portugueses.

E, apesar do custo de vida ser relativamente baixo em várias cidades portuguesas, a verdade é que a média salarial no país também é baixa. O salário mínimo português, por exemplo, não está nem perto de ser o mais alto da Europa e gira em torno de 580,00 euros.

Mas, é possível viver com o valor no país, sem grandes luxos, claro.

Sobre a língua, embora os brasileiros também falem português, a língua falada em Portugal tem suas diferenças.

E, apesar do lado cômico que isso pode ter, existe uma faceta muito menos engraçada: muitos portugueses são intolerantes com o sotaque brasileiro, o que é apenas uma pequena faceta do preconceito que se pode encontrar em um país estrangeiro, mesmo se tratando de Portugal.

E então, leitor, você já pensou em deixar o Brasil para morar em Portugal ou em outro país? Conhece alguém que tenha ido? Quais as maiores dificuldades sobre esse assunto, em sua opinião? Comente!

Fonte: Segredos do Mundo

09/11/2018

GANHE DINHEIRO RESPONDENDO PESQUISAS NA INTERNET

Se você chegou até aqui é porque você gostou, né? Então curta e compartilhe o Acidez Mental no Facebook com seus amigos! Seu clique é MUITO importante!

CLICA AQUI VAI

Comentários