5 EMPRESÁRIOS QUE CONFIARAM NO GOVERNO LULA/DILMA PARA CRESCER E QUEBRARAM A CARA

5 EMPRESÁRIOS QUE CONFIARAM NO GOVERNO LULA/DILMA PARA CRESCER E QUEBRARAM A CARA

Não foi só o povo que foi enganado pela corja do PT. Diversos empresários milionários e experientes foram ludibriados por Lula e Dilma, quebraram a cara, sofreram pesados prejuízos ou hoje beiram a falência. Abaixo, listamos 5 deles que servem de exemplo para mostrar que deixar-se enganar por promessas de políticos vigaristas e corruptos não é exclusividade dos eleitores mortais comuns.


MAGAZINE LUIZA – LUIZA HELENA TRAJANO

Empresária modelo, a bem sucedida herdeira da rede Magazine Luiza, Luiza Trajano foi por muito tempo reconhecida como um raro caso de sucesso dentre os herdeiros que conseguem levar suas empresas a níveis muito mais elevados do que aqueles imaginados por seus fundadores. Luiza herdou a rede fundada por sua tia e o marido, em 1957, na cidade de Franca, interior de São Paulo, e desde 1991 levou a companhia a ser uma das maiores do país.

Sua relação com o governo, porém, é bastante recente, atingindo um ápice em 2014, quando, numa resposta ao apresentador do programa Manhattan Connection, Diogo Mainardi, recusou a ideia de que existisse uma crise no varejo. De lá para cá a empresária foi abraçada como um modelo de positividade por parte do empresariado, que chancela as políticas do governo.

Não são poucas as políticas do governo que se relacionam com as atividades da empresária. No início de 2014, por exemplo, o governo decidiu criar o programa “Minha Casa Melhor”, que garantia R$ 5 mil em financiamento aos compradores de moradias do programa “Minha Casa Minha Vida”, favorecendo enormemente redes populares como o Magazine Luiza.

A própria expansão desenfreada do crédito, que cresceu cerca de 2 vezes mais nos bancos públicos do que nos privados, está entre as razões que levaram a expansão de redes como as lojas de Luiza. Em determinado momento em 2013, por exemplo, os bancos públicos como o BNDES, a CEF e o Banco do Brasil, chegaram a deter mais de 50% do crédito total disponível no país.

Tal expansão, entretanto, foi fortemente freada com a crise e a recessão na economia. Com o desemprego e a inflação em alta e a renda em baixa, as vendas do varejo caíram em 7 dos 8 primeiros meses do ano, levando redes como o Magazine Luiza a fecharem lojas. Desde que abriu seu capital em 2011, suas ações já despencaram mais de 90%, sua dívida mais do que dobrou e as vendas estagnaram.


LUPATECH – NESTOR PERINI

Fundada ainda nos anos 80, a metalúrgica gaúcha com sede em Caxias do Sul, Lupatech, atuou durante décadas em setores tão distintos como automobilístico e de alimentos. A anunciada auto-suficiência do país na produção de petróleo e da descoberta do pré-sal em 2007, levaram a empresa a realizar uma série de aquisições que a consolidaram como um fornecedor apto a grandes contratos no setor de óleo e gás. Foram mais de 16 aquisições entre 2006 e 2008 que levaram a empresa a faturar mais de R$ 550 milhões em 2010.

No mesmo ano, a empresa garantiu aquilo que poderia lhe fazer mudar de patamar, entrando para o clube de grandes fornecedores mundiais da cadeia de petróleo e gás. A conquista de contratos no valor de R$ 1,7 bilhão junto à Petrobras levou a Lupatech e seus acionistas a projetarem um crescimento vertiginoso nos anos seguintes.

Assim como a estatal, porém, as ações da Lupatech encararam ladeira abaixo. De 2010 a 2014, quando a companhia entrou com pedido de recuperação judicial, suas ações caíram mais de 99%. Em 2015 não é diferente: a companhia encara uma queda de 92,89%. Segundo seu plano de recuperação judicial, a empresa foi vítima da má conjuntura do setor de petróleo, cujo barril caiu para US$ 45 dólares, ante mais de US$ 130 quando da assinatura dos contratos, além da conjuntura da própria Petrobras, envolta em escândalos que a levaram a declarar uma baixa de ativos no valor de R$ 88 bilhões, fruto de má gestão e corrupção, segundo a própria empresa.

Para além de culpar fatores externos, analistas citam ainda que o elevado nível de endividamento somado ao não recebimento de valores da Petrobras levaram a empresa à atual situação. A aposta excessiva no setor de petróleo e gás culminou com a quebra da empresa e a demissão de milhares de funcionários em suas mais de 20 unidades no Brasil e no exterior.


EBX – EIKE BATISTA

Diz-se no mercado financeiro que nem mesmo Bill Gates, o fundador da Microsoft, ganhou tanto dinheiro com o PowerPoint, a ferramenta do office utilizada para fazer apresentações, com as quais Eike Batista conquistou a atenção de milhares de investidores no mundo inteiro, sedentos de oportunidades para investir no Brasil.

Um dos filhos de um famoso ex-presidente da Companhia Vale do Rio Doce, Eike Batista apareceu para o mercado nacional após realizar uma grande tacada justamente no setor que tornou seu pai conhecido. Eike conseguiu empurrar para a mineradora britânica Anglo-American, parte do projeto “Minas-Rio”, que visava produzir minério de ferro em Minas Gerais, exportando-o pelo Rio de Janeiro, onde o empresário ergueria o complexo do Açu, o maior porto privado do hemisfério sul. A mineradora de Eike levou na ocasião US$ 5,5 bilhões, fazendo com que seus investidores embolsassem uma quantia próxima a US$ 2 bilhões, menos de 1 ano antes de terem comprado as ações da MMX em sua abertura de capital.

Complexo de grandeza e poucos resultados práticos tornaram o mercado mais cético em relação a Eike. Seu porto consumia recursos sem perspectiva de ganhos, sua mineradora produzia toneladas de prejuízo (e sem minério), seu estaleiro drenava recursos e sua petrolífera, que pretendia ser uma “mini Petrobras” se viu frustrando os investidores sem encontrar petróleo em seus poços.

Acusando os investidores e recusando-se a admitir os erros, Eike encontrou no ex-presidente Lula uma figura de apoio a seus planos. Como conta em seu livro à jornalista Malu Gaspar, a aproximação com Lula foi pretendida desde 2002 quando o empresário doou recursos para campanha que elegeu o sindicalista. Em outra época, Eike chegou a contratar o amigo de Lula, José Dirceu, como consultor para resolver uma crise com o governo boliviano. A amizade com o ex-presidente, porém, só se concretizou após encontros para uma formalização de proposta pela qual a mineradora de Eike assumiria o controle da toda poderosa Vale. A proposta foi rejeitada pelo Bradesco, grande acionista da mineradora, e Eike recuou do plano.

Durante os anos que se seguiram a este episódio, Eike e o BNDES se tornaram amigos próximos (o banco despejou R$ 10 bilhões em projetos do empresário), enquanto ex-ministros do presidente Lula, como Guido Mantega e Fernando Pimentel (atual governador de Minas), atuaram para favorecer investimentos de empresas estrangeiras no porto de Açu, segundo denúncias (o resgate ao grupo X porém travou com o aumento da pressão sobre o governo vinda dos protestos de junho de 2013). A boa relação com o governo, que fez Eike ser chamado de ‘empresário modelo’ pela presidente Dilma, não bastou para salvar o “ex-midas”, que viu seu patrimônio ser dividido entre empresas estrangeiras, como o fundo Mubadala do Oriente Médio. Do apogeu à queda, estima-se que Eike, que chegou a ser o sétimo mais rico do mundo, tenha perdido R$ 60 bilhões.


OI – CARLOS JEREISSATI

Criada em 2009 com a fusão da Brasil Telecom (controlada pelos fundos de pensão), e a Telemar, controlada pelo empresário Carlos Jereissati e o grupo Andrade Gutierrez, a Oi foi possivelmente o primeiro, e por coincidência o mais mal sucedido, dos projetos de fusões e aquisições financiadas pelo BNDES – que viria a ser conhecido como “política de campeões nacionais”.

Com o mercado nacional dividido entre os mexicanos da Claro/Embratel, os espanhóis da Telefônica/Vivo e os italianos da TIM, a ideia de criar uma super empresa de telecomunicações com capital nacional atraiu as atenções do governo. Por meio da pressão de fundos de pensão como o dos funcionários do Banco do Brasil, a PREVI, e seu presidente, a Brasil Telecom foi conduzida ao altar para celebrar a criação de uma gigante nacional.

Nos anos que se seguiram, o projeto da Super Tele, como ficou conhecido, ganhou ainda mais espaço com uma fusão entre Oi e Portugal Telecom, internacionalizando o negócio, que passou a estar presente em 2 continentes e contar com mais de 100 milhões de clientes.

Uma gestão precária e uma conduta controversa de pagamento de dividendos elevados pra abater dívidas de seus controladores, porém, levaram o projeto a ganhar outros rumos. Atualmente a Oi é uma gigante se desfazendo. Desde o ínicio da sua crise de endividamento, a empresa já vendeu operações de cabos submarinos, torres de telefonia, prédios e a própria Portugal Telecom. Seu valor de mercado já caiu mais de 90% e sua dívida atinge hoje R$ 54 bilhões, contra R$ 1,7 bilhão de valor de mercado da empresa, um valor menor do que aquele obtido com a privatização em 1997 das duas companhias que formaram a atual Oi.

Nem os mais de R$ 10 bilhões em empréstimos subsidiados concedidos pelo BNDES parecem afetar a empresa positivamente, que com todo o susbídio mantêm-se apresentando prejuízo e queda no seu valor de mercado – que só em 2015 já caiu 77,35%.


SETOR EDUCACIONAL – TODOS OS GRANDES GRUPOS

Comparar discussões travadas na campanha eleitoral de 2014 com a realidade de 2015 pode ser algo perigoso para a maioria das pessoas – muitas das quais se viram iludidas ou até mesmo traídas naquilo que contavam ao apoiar o atual governo. Para muitos adolescentes, sonhos como uma vaga na universidade ou uma viagem para Europa patrocinada pelo governo, eram uma realidade líquida e certa, que dependia única e exclusivamente da fidelidade na hora do voto.

Não deve ser espanto para ninguém acreditar que jovens possam apostar na ideia do FIES para todos, mas deveria ser para empresários do setor, acostumados a acompanhar esta realidade minuciosamente. Não foi o que ocorreu. Ao longo dos últimos 4 anos, a concessão de bolsas pelo FIES para alunos de universidades privadas saltou inacreditáveis 451%, contra um aumento de meros 12% no total de alunos das universidades privadas.

Com cerca de 70% do total de alunos em universidades, o setor de ensino se tornou uma verdadeira mina de ouro. Suas margens de lucro chegam a 24%, acima até mesmo das margens de lucro em bancos ou na Petrobras (antes de a empresa ser destruída). Com a forte expansão do FIES, que garante a oferta de vagas e uma demanda bastante elevada (dado que universidades públicas são restritos a uma minoria), a educação se tornou um negócio sério no Brasil. Chegamos a ter a maior empresa de educação do mundo, a Kroton, cujo valor de mercado atingiu R$ 21 bilhões em 2014.

Por se tratar de um fundo, porém, os recursos do FIES não são ilimitados. O dinheiro que compõem o fundo vem principalmente de empréstimos antigos, além de aportes de recursos pagos pela Caixa Econômica Federal (parte da arrecadação das loterias). Com o descontrole, em especial no ano eleitoral, os recursos chegaram a 2015 quase zerados, a ponto de o governo anunciar uma redução superior a 50% no total de bolsas.

O efeito nas empresas do setor não poderia ser mais devastados. A Ser Educacional, que controla a Universidade Maurício de Nassau, chegou a variar entre R$ 30,60 e R$ 7,35 por ação nos últimos 12 meses, enquanto a Kroton, líder do setor, atingiu a mínima de R$ 7,41, contra uma máxima de R$ 17,85 por ação.

Seja você um adolescente ou um empresário calejado, cair na conversa de um político pode invariavelmente custar parte importante do seu futuro. Acreditar que economias sempre crescem é um dos erros mais constantes da política, mas possuem pouca relação com a realidade, que está mais para a soma do custo de decisões certas e erradas – sejam elas da política, de uma grande empresa ou mesmo do seu cotidiano.

Fonte: Spotniks

18/11/2018

GANHE DINHEIRO RESPONDENDO PESQUISAS NA INTERNET

Se você chegou até aqui é porque você gostou, né? Então curta e compartilhe o Acidez Mental no Facebook com seus amigos! Seu clique é MUITO importante!

CLICA AQUI VAI

Comentários