MULHER ENFURECE AS REDES SOCIAIS COM PROPOSTA INDECENTE DE TRABALHO SEMI-ESCRAVO

As redes sociais transformam pessoas anônimas e comuns em mocinhos e vilões da noite para o dia.

Patrícia Gomes Benfica, de 44, sabe muito bem disso, pois tornou uma dessas vilãs instantâneas por conta de um post que viralizou.

 

Há alguns dias, ela decidiu fazer um anuncio oferecendo moradia gratuita em seu apartamento na zona sul de São Paulo em troca de trabalhos domésticos e cuidados com uma criança de 7 anos.

Na publicação, ela escreve que se trata de uma “ótima oportunidade” para estudantes que buscam uma moradia em São Paulo e que não é preciso sequer fazer um cardápio mirabolante: “pratos mais simples e um suco já estão bons”.

MULHER ENFURECE AS REDES SOCIAIS COM PROPOSTA INDECENTE DE TRABALHO SEMI-ESCRAVO

O post também informa que o menino estuda das 13h às 19h e precisa de alguém que fique com ele no período da manhã. Os requisitos são apenas gostar de criança, saber cozinhar e organizar a casa. A pessoa terá que dar almoço à criança e colocá-lo no transporte escolar.

O problema é que o post começou a repercutir muito mal. Em pouco tempo, muitas pessoas fizeram comentários a acusando de estar propondo trabalho escravo disfarçado de ‘sororidade’ já que em destaque no alto do texto ela colocou a frase: ‘juntas somos mais fortes‘.

Até a tarde de domingo (9) o post tinha mais de 3 mil comentários e em vários Patrícia é questionada se ‘foi informada que a abolição aconteceu em 1888’, se ‘sua medicação teria acabado’ ou ‘se ela ainda dorme na casa grande’.

MULHER ENFURECE AS REDES SOCIAIS COM PROPOSTA INDECENTE DE TRABALHO SEMI-ESCRAVO

Depois da enxurrada de críticas, Patrícia retirou a publicação do ar, mas o estrago já havia sido feito. Em entrevista ao Extra, ela afirma ter recebido muitas interessadas e que sua atitude na verdade foi bastante feminista. Ela também disse que a ideia do anúncio só surgiu por não ter condições financeiras de pagar uma babá. Seu grande objetivo é transformar uma casa de 150 metros que recebeu de herança em uma moradia compartilhada de mães que queiram criar seus filhos juntas.

Lembrando que, de acordo com o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), trabalhar em troca de comida e abrigo sem receber salário é considerado situação de trabalho semelhante à escravidão.

10/07/2017

Fonte: http://www.hypeness.com.br

Comentários