AS MAIORES MENTIRAS QUE AS NOSSAS MÃES NOS CONTAVAM QUANDO ÉRAMOS CRIANÇAS

AS 10 MAIORES MENTIRAS QUE AS NOSSAS MÃES NOS CONTAVAM QUANDO ÉRAMOS CRIANÇAS

Certas mentiras que as mães contam, são apenas pra evitar que seus pimpolhos façam cagadas. Outras, elas realmente acreditam no que estão falando, e mesmo depois de a gente crescer, elas ainda nos falam essas coisas e para os nossos filhos.

Eis uma lista de 30 dessas mentirinhas que todo mundo ouviu quando era criança e suas explicações. (Se você quiser, pode acrescentar outras mentirinhas nos comentários, mas não deixe de colocar a explicação)


“Passa um pouco de gelo nessa queimadura!”
Poucas mães acertam na hora de dar conselhos sobre como tratar uma queimadura. Em contato prolongado com a pele, o gelo também queima. Além disso, ele pode grudar e descolar a pele que protegeria o local atingido. Pasta de dentes, manteiga e qualquer outro produto caseiro também devem ser evitados. Em queimaduras leves, a melhor indicação é usar água fria para resfriar o local queimado e deixar o organismo se curar sozinho. Em queimaduras mais graves, corra para um hospital, ok?.


“Quem está com dor de garganta não pode tomar sorvete!”
Não caia nessa fria! A inflamação da garganta, que em geral aparece junto com gripes e resfriados, é causada por vírus – e, em alguns casos, por bactérias – que não têm nada a ver com um delicioso sorvete. Pelo contrário! Se a irritação da garganta estiver incomodando muito, um sorvetinho bem gelado até ajuda a aliviar a dor.(!)Segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Sorvete, o brasileiro consome em média 2,7 litros de sorvete por ano – só um décimo do consumo per capita da Nova Zelândia, país líder no ranking mundial.


“Se você não ficar quieto, a caxumba vai descer!”
A caxumba em geral se manifesta pelo inchaço das parótidas, glândulas salivares que ficam abaixo da orelha. Ela realmente pode atacar outros tecidos, inchando também os testículos e dando a impressão de que a inflamação “desceu”. Mas isso só rola se o sistema imunológico da pessoa estiver fraco. Desde que não debilitem o sistema imunológico, os exercícios físicos estão liberados.(!)Pouca gente sabe, mas a caxumba pode atacar diretamente os testículos sem se manifestar nas parótidas, ou seja, sem deixar a pessoa com aquelas típicas bochechas inchadas.


“Se não usar óculos, seu grau vai aumentar!”
A progressão ou estabilização do grau de deficiência visual acontece naturalmente e varia de pessoa para pessoa. Usar ou deixar de usar óculos não interfere nesse processo. As lentes só servem para corrigir as falhas oculares que atrapalham a formação da imagem.(!)Os óculos para estrabismo (“vesguice”) educam os olhos a corrigir os movimentos descoordenados. Nesse caso, a falta de uso pode resultar numa acomodação permanente da visão com problemas.


“Vista um agasalho, senão você vai ficar gripado!”
Gripes e resfriados são provocados por vírus, e não pelo ar frio. Quem não usa roupas adequadas pode até ter uma hipotermia, mas não vai pegar, necessariamente, uma infecção. Então o que explica a maior incidência de problemas respiratórios no inverno? Os médicos creem que eles atacam mais nesse período por causa da aglomeração de pessoas em locais fechados, o que facilita a contaminação. Isso não quer dizer, claro, que você vai dar uma de machão e sair pela rua em pleno inverno de chinelão, bermuda e camiseta. Além de ficar trincando de frio, você ainda vai ganhar o “troféu mané do mês”


“Tire o dedo do nariz, senão ele vai crescer demais!”
Cutucar a nareba o dia todo, convenhamos, é pra lá de asqueroso. Mas ninguém vira Pinóquio por causa disso, pois o que determina o crescimento nasal é, sobretudo, a genética de cada um – quem tem pais narigudos dificilmente escapa. Apenas fraturas ou alterações drásticas do padrão respiratório podem causar um crescimento anormal do órgão. Para os adolescentes que ficam encanados com o tamanho do nariz, saibam que, dos 10 aos 15 anos, é normal ele dar uma esticada generosa. Mas o ritmo diminui bastante após essa idade


“Desligue a TV, senão você vai estragar a sua vista!”
O motivo pode ser nobre – afinal, ficar colado na TV o dia inteiro não está com nada -, mas o argumento é furado. Encarar a TV ou o computador por muitas horas pode dar dor de cabeça ou deixar os olhos ressecados, pois tendemos a piscar com menos frequência. Mas os efeitos são sempre reversíveis, e o risco de prejudicar a visão é zero. De qualquer forma, vale uma dica: se precisar ficar vidrado na tela por muito tempo, levante-se da cadeira de hora em hora para descansar os olhos por uns minutos


“Pare de roer as unhas, senão você vai furar o estômago!”
A mania de roer as unhas é bem nojenta, mas não provoca furos dentro da barriga. As lascas de unha podem, no máximo, arranhar o sistema digestivo, causando algum desconforto. Mas elas não são afiadas o suficiente para perfurar as paredes das tripas. Mas esse vício pode, sim, trazer danos à saúde. Os dentes se desgastam e, às vezes, são deslocados da posição original. Já os dedos sujos lançam bactérias na boca. Quem mastiga as unhas ainda expõe os dedos a infecções


“Pare de ficar estalando esses dedos, senão eles vão engrossar!”
Não há nenhuma evidência científica que comprove essa lenda, contada nas famílias há várias gerações. Os estalos “naturais”, que rolam devido aos movimentos do corpo, são absolutamente saudáveis e não costumam provocar nenhum dano às articulações. Porém, quem vive estalando os dedos por causa de algum tique nervoso tem o risco de detonar a cartilagem que cobre a área das juntas. E isso, a longo prazo, pode favorecer o surgimento de algum problema, como a artrite


“Dá um tempo no videogame, senão vai queimar a TV!”
Quem passa horas a fio apertando botões para zerar algum jogo pode: a) tomar bomba na escola; b) ficar sem namorada(o), e c) aumentar o consumo de energia. Mas estragar a TV é lorota para o filho largar o controle. O que acaba com a TV é a quantidade de horas de uso – seja para ver novela, seja para torcer para o time favorito ou detonar nos games. A única coisa que pode acelerar o processo de desgaste da TV é a exibição de imagens estáticas por muito tempo. Mas a maioria dos programas e jogos tem recursos para impedir que isso aconteça


“Sai da frente do espelho, senão um raio vai te pegar!”
Outra balela! Ficar na frente de um espelho dentro de casa não aumenta em nada o risco de alguém ser atingido por um raio. Essa lenda, segundo os pesquisadores, deve ter surgido na época do Brasil colonial, quando os espelhos tinham grandes molduras metálicas que iam até o chão – com esse tipo de móvel, como com qualquer objeto metálico em contato com o solo, o risco de atrair raios é real. Já os telefones fixos são perigosos, sim, nessas ocasiões, pois os raios costumam cair nos postes e fios telefônicos, que conduzem as descargas elétricas para dentro de casa e, daí, para a sua orelha! Também é bom evitar celulares e telefones sem fio fora de casa quando o céu está carregado, pois eles podem atrair raios


“Tome um copo de leite para acalmar esse estômago!”
Verdade seja dita: o leite, por ser alcalino, acaba neutralizando os ácidos estomacais e alivia a dor de estômago. Mas esse efeito só rola por alguns minutos após beber o líquido, pois o cálcio do leite, depois de absorvido pelos intestinos, acaba disparando a produção de mais ácido – que volta a atacar o bucho! Portanto, a menos que você queira explodir de tanto tomar leite, nada de bebê-lo como remédio de gastrite!. Outra bobagem envolvendo o leite é o mito de que, se bebido junto com manga, faz mal. Os dois alimentos não causam nenhum efeito negativo quando são ingeridos ao mesmo tempo. Pelo contrário: formam um coquetel repleto de nutrientes, como vitaminas e sais minerais


“Se não comer toda a comida, as crianças da África vão morrer de fome!”
Esse terrorismo psicológico que algumas mães adoram fazer não tem fundamento. Tudo bem que não é bacana jogar comida fora, mas alguns restos no prato não são nada perto do que é descartado, por exemplo, por supermercados e centros de distribuição – só na Ceagesp, central de abastecimento em São Paulo, quase 100 toneladas de alimentos vão para o lixo todos os dias!. Uma em cada seis pessoas no mundo (ou seja, mais de 1 bilhão de indivíduos!) passa fome. O que mais assusta é que o planeta produz comida de sobra para alimentar toda a população mundial. O problema é a desigualdade social, o desperdício e a distribuição inadequada da comida.


“Mais de um Yakult por dia faz mal!”
Essa lorota ajuda as mães a economizar na conta do supermercado. Se a criança quiser tomar um, dois ou até três copinhos de Yakult – ou similares – por dia, o risco de rolar algum problema é zero. Isso se deixarmos de lado as cáries, claro, porque a bebida tem açúcar e pode detonar os dentes se a escovação for malfeita. Não há estudos que garantam a segurança da ingestão de mais de três porções por dia. Isso porque os probióticos (micro-organismos presentes nesse tipo de bebida) estão de fato vivos ao chegar ao intestino e, se rolar uma infestação dessas bactérias do bem, elas podem bagunçar o nosso metabolismo!


“Comer cenoura faz bem para a vista”
Uma alimentação balanceada é vital para a saúde. Mas esse papo de que comer cenoura faz bem para a vista não cola. Apesar de ser rica em vitamina A, que é essencial para o funcionamento da visão, a raiz não garante que se vai escapar de virar um “quatro-olhos”. A cenoura até seria útil em casos de cegueira noturna, mal que atinge pessoas com deficiência grave de vitamina A. Mas, quando alguém chega a esse ponto, é sinal de que o que falta mesmo é comida no prato – e aí a cenoura ajuda, sim, mas é por matar a fome…


“Espere o bolo esfriar para comer, senão você passa mal!”
Devorar uma fatia de bolo recém-saído do forno não traz nenhum risco sério, muito menos uma dor de barriga fatal. Outra lorota é a de que o fermento da massa continuaria inchando dentro do corpo, até estourar as nossas tripas. Por que então as mamães insistem nessas histórias? Simples: para evitar que o bolo acabe antes que elas possam servi-lo!. Sua barriga não vai inchar, mas fique esperto, pois os apressadinhos, em vez de comer cru, podem é queimar a língua e até a garganta se o quitute estiver quente demais!


“Criança que toma café não cresce!”
Não há estudo científico que comprove essa lenda. O que se sabe é que o café aumenta a pressão arterial e turbina a nossa disposição, afastando o sono. Mas não emagrece nem atrapalha o crescimento. Pesquisas mostraram que a cafeína ingerida em algumas xícaras de café quase não atrapalha a absorção de cálcio pelo nosso organismo. Mas há um porém em relação ao cafezinho: por ser um forte estimulante, a bebida não deve ser oferecida a crianças muito pequenas. A menos, claro, que os pais queiram ficar acordados a noite toda…


“Pare de coçar os olhos, senão você pode descolar a retina!”
Essa é uma meia-verdade. É que mexer demais nos olhos pode mesmo provocar esse problema. Acontece que isso só rola com pessoas que já tiveram descolamento antes ou que têm miopia muito alta, com grau maior que 6, pois nesses casos a retina é muito frágil. Mas a regra não vale para a maioria das pessoas, que, ao coçar os olhos demais, correm outro risco: o de jogar alguma sujeira dentro deles e causar alguma infecção ocular. Um problema que pode, sim, ser deflagrado pelo ato de coçar demais os olhos é uma doença chamada ceratocone, que causa uma alteração no formato da córnea, a membrana que recobre os olhos


“Menina, nunca lave a cabeça quando estiver menstruada!”
Esse mito é um dos mais absurdos de todos. Quando a mulher está menstruada, não há problema algum em tomar banho, lavar a cabeça ou entrar na piscina – desde que use proteção, como um absorvente, claro. A única explicação para essa lenda seria a ligeira redução de imunidade que algumas meninas sofrem quando estão “naqueles” dias. Juntando esse fato com a lenda de que água fria causa gripe, algumas senhoras fazem essa recomendação às filhas. Pura bobagem. Mas vale ficar ligado numa recomendação das mães em relação ao banho: a de não dormir com os cabelos ensopados. Como eles vão demorar mais para secar, é quase certo que, no inverno, você acabe passando frio de noite.


“Se mexer toda hora no pingolim, ele vai cair no chão!”
Essa cascata é repetida toda hora pelas mães de meninos pequenos que se agoniam com a mania dos garotos de mexer no pingolim. Acontece que o pênis é um órgão bem resistente e não há qualquer risco de rompimento, queda ou qualquer outro tipo de acidente com a manipulação normal. Na verdade, o órgão só se machuca caso a força aplicada seja descomunal, ou se for entortado demais quando estiver duro. Mas os médicos alertam: mexer demais no bilau quando a criança ainda é muito nova pode indicar, em alguns casos, uma fixação precoce nos órgãos sexuais. Nesse caso, é melhor os pais ouvirem um pediatra ou psicólogo para não ficarem com minhocas na cabeça


“Você se masturba demais, por isso está com esses peitinhos duros!”
Quem curte um prazer solitário não tem com o que se preocupar. A masturbação não tem nenhum efeito colateral, sendo 100% segura. Mamilos duros, excesso de espinhas, aumento de pelos no corpo – inclusive nas mãos – e outras chatices típicas da adolescência são o resultado da montanha-russa de hormônios no nosso corpo durante essa fase da vida, e nada mais. Agora, o fato de não ter efeito colateral não quer dizer que você vai ficar o dia inteiro brincando com seu amiguinho, né? Nos casos de manipulação excessiva, há grande possibilidade de rolar irritação no pênis ou na vagina


“Se raspar os pelos do rosto, eles vão nascer mais grossos!”
Mais uma história sem pé nem cabeça. Quando raspamos os pelos de qualquer parte do corpo, eles parecem mais grossos simplesmente porque são mesmo mais grossos no trecho que fica perto da pele. E tem mais: durante a adolescência, os pelos do rosto vão naturalmente se tornando mais espessos, com ou sem lâminas de barbear. Mas vale um alerta para a galera que gosta de ficar arrancando os fios pela raiz. Um pelo arrancado costuma nascer novamente no local, mas, se o arranca-arranca se repete demais, a pessoa corre o risco de ficar sem pelo nenhum ali!


“Se engolir o chiclete, ele gruda no estômago!”
Isso só pode acontecer em crianças bem pequenas, que têm o sistema digestivo muito estreito (sobretudo o esôfago e os intestinos, mas não o estômago). Mas nenhuma mãe vai dar chicletes aos bebês, né? No caso da molecada mais crescida, a digestão se encarrega de produzir substâncias que detonam a goma de mascar. E mesmo que ela consiga sobreviver ao ataque dos ácidos estomacais, o movimento dos intestinos se encarrega de eliminá-la junto com o cocô. Agora, se o cara for muito mané para engolir um monte de chicletes ao mesmo tempo, aí o risco é real, pois, caso a bolona de goma fique presa nas tripas, o único jeito é entrar na faca pra tirar a maçaroca!


“Tire a mão desse sapo, senão você vai ficar cheio de verrugas!”
Brincar com sapos não é a coisa mais divertida do mundo, mas quem curte um contato com a natureza não precisa ficar encanado com as verrugas. O único perigo é o veneno que eles soltam por glândulas localizadas perto da cabeça. Mas a gosma – que só é perigosa mesmo se for ingerida – não é lançada nos olhos das vítimas, como dizem algumas vovós. Ela só é liberada se o sapo for apertado ou tomar uma dentada. As verrugas humanas podem ser transmitidas, sim, mas é por gente mesmo! Elas são causadas pelo vírus do papiloma humano, que não costuma gerar nada além das protuberâncias na pele. A exceção são as verrugas genitais, que podem causar alguns tipos de câncer


“Se tirar a casquinha da ferida, vai ficar com cicatriz!”
A cicatriz de um machucado não tem nada a ver com o fato de ele formar um cascão ou não. Ela aparece de acordo com a gravidade do corte – quanto mais extenso e profundo, maior é a probabilidade de surgir uma marca permanente. Mesmo que a ferida não tenha casquinha. Quando um ferimento está se curando, o ideal é deixá-lo úmido para evitar que se resseque, pois isso atrapalha o processo de cicatrização – uma boa solução é cobrir com um curativo. Caso essa providência não seja tomada e a casquinha se forme, nem pense em arrancá-la, pois o puxão pode lesionar a pele de novo, provocando outra feridona


“É melhor pegar catapora enquanto ainda é criança!”
Até pouco tempo atrás, era comum ouvir mães dizendo que preferiam que seus filhos pegassem catapora nos primeiros anos de vida, pois a doença é bem mais perigosa em adolescentes e adultos. Essa crença gerava uma situação pra lá de bizarra: algumas crianças saudáveis eram deixadas pelos próprios pais perto daquelas que estavam infectadas!. Até 1998, quando a vacina contra catapora chegou ao Brasil, esse era o único jeito de evitar que a doença desse as caras mais tarde. Mas hoje a medida não faz mais sentido. A partir dos 12 meses de idade, qualquer criança saudável pode ser vacinada contra o vírus, e ninguém mais precisa ficar doente


“Se continuar entortando o rosto, ele vai ficar assim para sempre!”
Pelo jeito, quem tem medo de careta são só as mães mesmo! Defeitos na face e estrabismo são causados apenas por fatores genéticos ou problemas de saúde, como um derrame cerebral. Movimentos voluntários do rosto ou dos olhos, como ficar vesgo de propósito, não provocam nenhum efeito permanente. Tudo bem que o máximo que pode rolar para quem fica fazendo careta a torto e a direito é um pouco de desconforto, além de algumas risadas dos colegas. Agora, achar que a brincadeira é um jeito legal de conquistar alguma gatinha – como uns caras fazem de vez em quando – é o fim…


“Vou te dar um susto para acabar com esses soluços!”
Essa e outras receitas caseiras, como prender a respiração ou tomar um copo de água num gole só, costumam ser indicadas contra o incômodo. E, às vezes, parece até que funcionam. O problema é que o soluço é um sintoma, e não uma doença. Ele pode indicar problemas simples, como refluxo, ou até mesmo tumores graves na região do tórax. Quando as crises são causadas por algum mal passageiro, o soluçante em geral melhora após algumas horas, no máximo – e aí fica difícil afirmar se a cura veio do “remédio” ou se foi só coincidência. Para quem soluça sempre, em vez de ficar tapando o nariz, tomando sustos ou se entupindo de água, o melhor é buscar um médico para ver se não é algo mais sério


“Se entrar na piscina depois de comer, vai morrer de congestão!”
Dar um tchibum ou tomar banho após comer não mata ninguém. Essa lenda parece aquele papo de que o sangue se concentra no abdome depois que comemos, e que a falta de irrigação no cérebro nos deixa preguiçosos depois do rango. Nada disso foi comprovado cientificamente. Agora, entrar na piscina não é igual a sair nadando como se fosse bater o recorde dos 50 m. Sobretudo após traçar uma feijoada, pois o risco de chamar o “hugo” na água é alto. Aliás, isso vale para qualquer exercício pesado. O ideal é fechar a boca por pelo menos meia hora antes e depois do treino

Atenção: Não mostre esta lista pra sua mãe. Ela vai ficar puta e dizer que isso tudo é mentira da internet.

03/05/2018

GANHE DINHEIRO RESPONDENDO PESQUISAS NA INTERNET


Se você chegou até aqui é porque você gostou, né? Então curta e compartilhe o Acidez Mental no Facebook com seus amigos! Seu clique é MUITO importante!

CLICA AQUI VAI

Comentários