AS 40 MAIORES MENTIRAS, FRAUDES E VIGARICES DA POLÍTICA BRASILEIRA

AS 40 MAIORES MENTIRAS, FRAUDES E VIGARICES DA POLÍTICA BRASILEIRA

A política brasileira sempre foi pródiga em meias verdades, passadas de perna, falsas promessas. E também em trapaças, fraudes, falácias – algo que nós, eleitores, aprendemos a resumir simplesmente como mentiras. Em ano de eleições para presidente, governadores, senadores e deputados.

Aqui vamos relembrar as maiores lorotas proferidas por nossos políticos desde a fundação da República.

Há mentiras para todo gosto: a dissimulação do aliado para enganar o companheiro de partido; a promessa que não passou do discurso; o político que, na tentativa de se defender, “nega veementemente” o envolvimento em falcatruas – para, tempos depois, reaparecer com a surpresa: ele tinha toda culpa no cartório.

São hábitos que fazem parte do jogo e que sempre existirão na zona cinzenta da política. Mas nunca é demais lembrar de como fomos enganados e, em um ano como este, até aprender algo com isso. Nem que seja a não nos iludirmos tanto com eles.


AS 40 MAIORES MENTIRAS, FRAUDES E VIGARICES DA POLÍTICA BRASILEIRA“República no Brasil é coisa impossível”
Marechal Deodoro (1889)

Além de “impossível”, seria também “uma verdadeira desgraça”. Assim o Marechal Deodoro da Fonseca, primeiro presidente do Brasil, descreveu o regime republicano em cartas trocadas com um sobrinho às vésperas do golpe que derrubaria o Império, em 15 de novembro de 1889. A correspondência levou os historiadores a uma conclusão paradoxal: o fundador da República não era republicano. Deodoro da Fonseca teria aderido ao golpe por ressentimentos pessoais – e, na condição de político, boa dose de oportunismo. Convertido, fez possível a República que, até então, era “impossível” sem ele. História do Brasil 1 x 0 ficção.


AS 40 MAIORES MENTIRAS, FRAUDES E VIGARICES DA POLÍTICA BRASILEIRA“O candidato vale quanto pesa”
Rinoceronte Cacareco (1959)

Poucas vezes um candidato de mentira fez tanto sucesso – a ponto de ser eleito. Cacareco era, na verdade, uma fêmea rinoceronte de 900 quilos do Zoológico de São Paulo. A pegadinha foi criada pelo jornalista Itaborahy Martins, do jornal O Estado de S. Paulo, para criticar o nível dos candidatos da eleição municipal. Pegou. Como não havia voto eletrônico nem cédulas oficiais, as gráficas contratadas entraram na brincadeira e incluíram o nome do rinoceronte na lista. Cacareco teve cerca de 100 mil votos, superou todos os concorrentes e “elegeu-se” vereador em São Paulo.


AS 40 MAIORES MENTIRAS, FRAUDES E VIGARICES DA POLÍTICA BRASILEIRA“Como uísque? Eu disse leite, Murilo. Lei-te”
Jânio Quadros (1960)

A arte da esquiva, se não termina em indignação, pode criar ótimas piadas. Em 1960, Jânio Quadros visitava o Recife em campanha para presidente. Hospedado na casa do ex-deputado Murilo Costa Rego, preparava-se para uma coletiva de imprensa logo pela manhã. Diante de um banquete de queijos, bolos e frutas, Jânio fez troça: “Só estou vendo leite. Não sou bezerro. Quero um puro, Murilo”. Eis que, no momento em que era servido pelo garçom com uma garrafa de Old Parr, uma caravana de prefeitos entrou na sala. O repórter Sebastião Nery flagrou a cena. “Como uísque? Eu disse leite, Murilo.” Jânio bebeu tudo num só gole.


AS 40 MAIORES MENTIRAS, FRAUDES E VIGARICES DA POLÍTICA BRASILEIRA“No Brasil não há lugar para ditaduras”
Costa e Silva (1964)

Uma das mais traumáticas mentiras da história política do país. Foi pronunciada antes da posse do general Costa e Silva, em um discurso que ainda incluía a garantia do “reestabelecimento da plenitude democrática” assim que o país estivesse longe das ameaças esquerdistas. Assim o povo recebeu o golpe que derrubara João Goulart. Expectativas sobre a redemocratização deixariam de existir quatro anos depois. Costa e Silva, representante da linha dura das Forças Armadas, assinaria o Ato Institucional número 5, suspendendo uma série de direitos constitucionais. Era o começo da fase mais violenta da ditadura.


AS 40 MAIORES MENTIRAS, FRAUDES E VIGARICES DA POLÍTICA BRASILEIRA“É apenas um forte resfriado”
Comunicado da junta militar (1969)

Eis um diagnóstico otimista para governantes à beira da morte. Em dezembro de 1969, o presidente Costa e Silva, adoecido, viajava de emergência ao Rio de Janeiro. No avião, seu rosto foi coberto com um lençol. Para encobrir a gravidade do problema, os militares disseram se tratar de uma gripe – por três dias. Costa e Silva havia sofrido um derrame cerebral fatal. A ideia era ganhar tempo para realizar a transição. O governo de Costa e Silva entraria na história malogrado pela assinatura do AI-5, o mais duro dos decretos que limitaram a liberdade democrática no Brasil.


AS 40 MAIORES MENTIRAS, FRAUDES E VIGARICES DA POLÍTICA BRASILEIRA“O governo não tem razões para ir ao FMI”
Delfim Netto (1980)

Algumas previsões são pródigas em revelar o contrário do que previam. Ministro da Fazenda durante o “milagre econômico” dos anos 70, o economista Delfim Netto tocava a pasta do Planejamento em 1980. Imaginava mais crescimento e um Brasil livre de credores para a década. Aconteceu exatamente o contrário. Com uma nova crise do petróleo, elevação das taxas de juros internacionais e o fim da capacidade brasileira de equilibrar pagamentos, veio a ressaca. Ninguém mais queria emprestar dinheiro ao país, que entraria em sua maior crise econômica. Em 1982, a única saída foi correr ao FMI.


AS 40 MAIORES MENTIRAS, FRAUDES E VIGARICES DA POLÍTICA BRASILEIRA“Não pretendo ser governador de Minas”
Tancredo Neves (1983)

O mineiro Tancredo sabia dar passos largos com discrição. Um episódio simbólico aconteceu às vésperas da eleição para governador de Minas, logo após a filiação do político ao PMDB. Depois de uma entrevista, Tancredo espichou o olho em direção às anotações de um jornalista. “Não pretendo ser governador de Minas”, lera no papel. Mandou o repórter corrigir: “Não pretendo ser candidato a governador de Minas”. Com mineirice exemplar, Tancredo garantia em silêncio sua vaga no Palácio da Liberdade.


AS 40 MAIORES MENTIRAS, FRAUDES E VIGARICES DA POLÍTICA BRASILEIRA“Olá, meu querido povo de Mombaça”
Antônio Paes de Andrade (1989)

A pequena cidade de Mombaça, no Ceará, já foi capital do Brasil. Difícil de acreditar? A história começou em fevereiro de 1989, quando o presidente da Câmara dos Deputados, Paes de Andrade, assumiu interinamente a Presidência da República por oito dias. Ele substituía o presidente Sarney, que viajara ao Japão. Pois o “presidente” Paes de Andrade resolveu fazer o impensável. Reuniu comitiva de 63 pessoas e viajou a Mombaça, sua cidade natal de 40 mil habitantes, para uma série de festejos. A legislação permite que o Congresso decida, com sanção presidencial, a mudança temporária da capital. Foi o que ele fez. Fundava-se a “República de Mombaça”, fugaz capital do país, uma mentira amparada na megalomania de um político – e na lei.


AS 40 MAIORES MENTIRAS, FRAUDES E VIGARICES DA POLÍTICA BRASILEIRA“Silvio Santos não vai ser político”
Silvio Santos (1988)

O dono e apresentador do SBT passou de raspão na política. Primeiro, ao vivo, afirmou que não sairia candidato nem indicaria nenhum político a nenhum cargo. Um ano depois, em gravação no mesmo SBT, mudou o discurso: estava pronto para defender o povo brasileiro se fosse alçado à presidência em 1989. Ao fundo, um jingle bombardeava o número 26. A empreitada desandou com a mesma velocidade com que apareceu. Havia irregularidades no partido que o abrigava, o pequenino Partido Municipalista Brasileiro. A candidatura foi impugnada na véspera da eleição. Silvio nunca mais saiu do show biz.


AS 40 MAIORES MENTIRAS, FRAUDES E VIGARICES DA POLÍTICA BRASILEIRA“Vou acabar com os marajás”
Fernando Collor (1990)

Foi no governo de Collor em Alagoas que o apelido “caçador de marajás” alçou voo nacional. Marajás eram os funcionários públicos com altos salários conquistados à base de fraudes. Sem realizar nenhuma obra, mas em alta pelo discurso de paladino, Collor venceu a eleição de 1989, o primeiro pleito democrático para presidente desde 1960. Em setembro de 1992, diante de uma CPI que listava as inúmeras irregularidades de seu curto governo, sofreu impeachment. Para a voz das ruas, Collor, ele próprio, havia se tornado o maior dos marajás do país. Entrara como guardião da moralidade e saíra derrubado e com direitos políticos cassados.

NÃO ACABOU NÃO. CONTINUA AQUI!

Comentários